Signorinella

( Canta: Carlo Buti )
( Autores: L. Bovio - N. Valente - 1931 )

Ouça todas as músicas de Carlo Buti

  • Signorinella - Carlo Buti

 Provavelmente existem alguns erros de tradução, me perdoe. Sugerir Correção

Originale


Signorinella pallida
dolce dirimpettaia del quinto piano,
non v'è una notte ch'io non sogni Napoli
e son vent'anni che ne sto lontano.

Al mio paese nevica,
il campanile della chiesa è bianco,
tutta la legna è diventata cenere,
io ho sempre freddo e sono triste e stanco.

Amore mio, non ti ricordi
che nel dirmi addio
mi mettesti all'occhiello una pansè
poi mi dicesti con la voce tremula:

Non ti scordar di me.

Bei tempi di baldoria,
dolce felicità fatta di niente.
Brindisi coi bicchieri colmi d'acqua
al nostro amore povero e innocente.

Negli occhi tuoi passavano
una speranza, un sogno e una carezza,
avevi un nome che non si dimentica,
un nome lungo e breve: Giovinezza.

Il mio piccino,
in un mio vecchio libro di latino,
ha trovato - indovina - una pansè.
Perchè negli occhi mi tremò una lacrima?

Chissà, chissà perchè!

E gli anni e i giorni passano
eguali e grigi con monotonia,
le nostre foglie più non rinverdiscono,
signorinella, che malinconia!

Tu innamorata e pallida
più non ricami innanzi al tuo telaio,
io qui son diventato il buon Don Cesare,
porto il mantello a ruota e fo il notaio.

Lenta e lontana,
mentre ti penso, suona la campana
della piccola chiesa del Gesu,
e nevica, vedessi come nevica:

Ma tu, dove sei tu.

Tradução


Pequena senhorita pálida
doce moradora da frente, no quinto andar,
não tem uma noite que eu não sonho Nápoles
e são vinte anos que estou longe.

Na minha cidade está nevando,
o campanário da igreja é branco,
toda a madeira virou cinza,
eu sempre sinto frio e estou triste e cansado.

Meo amor, não lembras
que dizendo-me adeus
me colocaste na lapela um amor-perfeito
depois me disseste com a voz tremula:

Não te esqueças de mim.

Belos tempos de farra,
doce felicidade feita de nada.
Brindes com os copos cheios de água
ao nosso amor pobre e inocente.

Nos olhos teus passavam
uma esperança, um sonho e uma caricia,
tinha um nome que não se esquece,
um nome comprido e breve: Juventude.

O meu pequenino,
num meu velho livro de latim,
encontrou - adivinha - um amor-perfeito.
Porque nos olhos me tremeu uma lágrima?

Quiçá, quiçá porque!

E os anos e os dias passam
iguais e cinzentos com monotonia,
as nossas folhas não mais reverdecem,
pequena senhorita, que melancolia!

Tu apaixonada e pálida
não bordas mais na frente do teu tear,
eu aqui tornei-me o bom Don César,
uso o manto a roda e faço o notário.

Lenta e distante,
enquanto te penso, toca o sino
da pequena igreja do Jesus,
e está nevando, visse como está nevando:

Mas tu, onde estás tu.

* Número de validação incorreto! Por favor digite 9

     
 

Musica Italiana Copyright 2006-2017 "Pino Ulivi". Design, conteúdo e publicação da parte de "Leo Caracciolo"

As músicas em italiano são dos seus respectivos autores.