La Boheme

( Canta: Charles Aznavour )
( Autores: C. Aznavour - J. Plante - Mogol - 1966 )

Ouça todas as músicas de Charles Aznavour

  • La Boheme - Charles Aznavour

 Provavelmente existem alguns erros de tradução, me perdoe. Sugerir Correção

Originale


Io vi parlo di un tempo
che in questo momento
non ha più valore.
Vi parlo di Montmartre,
dei fiori di lillà
sbocciati alle finestre
della nostra stanza
colma di speranza
e di un grande amore.
Pittore vuole dire
poco da mangiare,
ma lei non pianse mai.

La Boheme,
la Boheme,
significava felicità.
La Boheme,
la Boheme,
era la nostra bella età.

E nei caffè vicini
eravamo qualcuno
che aspettava la gloria
dei poveri, si sa,
ma a dir la verità
ci credevamo tanto,
tanto che una tela
poi si trasformava
in un pasto caldo,
e tutto senza un soldo,
intorno ad un camino,
l'inverno non c'è più.

La Boheme,
la Boheme,
vuol dire vivere così.
La Boheme,
la Boheme,
amare tutti e dire sì.

Molto spesso accadeva
che al mio cavalletto
passavo la notte
e disegnavo te
che stavi lì per me
per ore ed ore intere,
poi alla mattina,
morti di stanchezza,
ci trovava il sole
e scendevamo insieme
tutti e due felici a
bere un buon caffè.

La Boheme,
la Boheme,
aver vent'anni insieme a lei.
La Boheme,
la Boheme,
non l'ho rivista proprio mai.

Quando un giorno per caso
mi trovo a passare
davanti a una casa,
la casa di Montmartre,
non vedo più i lillà
e tutto sembra triste e
sopra quella scala
non passa più una tela,
ora è tutto nuovo.
Io sono un gran signore
che muore di dolore
e che non piange mai.

La Boheme,
la Boheme,
sento una voce e penso a lei.
La Boheme,
la Boheme,
indietro non si torna mai!

Tradução


Eu vos falo de um tempo
que neste momento
não tem mais valor.
Vos falo de Montmartre,
das flores de lilás
floridos nas janelas
do nosso quarto
cheio de esperança
e de um grande amor.
Pintor quer dizer
pouca comida,
mas ela não chorou nunca.

A Boheme,
a Boheme,
significava felicidade.
A Boheme,
a Boheme,
era a nossa bela idade.

E nos bares vizinhos
éramos alguém
que esperava a gloria
dos pobres, se sabe,
mas a dizer a verdade
acreditávamos tanto,
tanto que uma tela
depois transformava-se
numa refeição quente,
e tudo sem um tostão,
perto de uma lareira,
não há mais inverno.

A Boheme,
a Boheme,
quer dizer viver assim.
A Boheme,
a Boheme,
amar a todos e dizer sim.

Muitas vezes acontecia
que ao meu cavalete
eu passava a noite
e te pintava
que estavas aí para mim
por horas e horas inteiras,
depois pela manha,
mortos de cansaço,
nos encontrava o sol
e descíamos juntos
todos dois felizes a
tomar um bom cafezinho.

A Boheme,
a Boheme,
ter vinte anos junto com ela.
A Boheme,
a Boheme,
não a vi de novo nunca mais.

Quando um dia por acaso
me encontro a passar
em frente a uma casa,
a casa de Montmartre,
não vejo mais os lilás
e tudo parece triste e
sobre aquela escadaria
não passa mais uma tela,
agora tudo e novo.
Eu sou um grande senhor
que morre de dor
e que não chora nunca.

A Boheme,
a Boheme,
ouço uma voz e penso nela.
A Boheme,
a Boheme,
atrás não se volta nunca!

* Número de validação incorreto! Por favor digite 15

     
 

Musica Italiana Copyright 2006-2017 "Pino Ulivi". Design, conteúdo e publicação da parte de "Leo Caracciolo"

As músicas em italiano são dos seus respectivos autores.